Geração Z: como atrair e reter esses talentos?

A taxa de desemprego do Brasil chegou a 11,2% em fevereiro de 2022, segundo o IBGE. Muitos brasileiros lutam para encontrar um trabalho numa época de crise financeira e incertezas sobre o futuro. No entanto, uma parte desse percentual, a geração Z, prefere o desemprego à infelicidade, de acordo com uma pesquisa publicada recentemente. 

Como isso é possível? Nós da Allya vamos explicar melhor para você, logo abaixo. Confira!

O que é a geração Z?

Antes de mostrarmos os índices da pesquisa sobre a geração Z – que prefere desemprego a ser infeliz no trabalho — nós contaremos um pouco sobre esses jovens que estão atuando  há alguns anos no mercado.

A Geração Z classifica as pessoas nascidas entre 1995 até o início do ano 2010, passando pela transição do século XX para o século XXI.

Portanto, a faixa etária dos jovens profissionais dessa geração gira em torno de 18 a 27 anos, sem contar os jovens aprendizes (acima de 14 anos).

Principais características da geração Z

A geração Z também é conhecida como Gen Z, iGeneration, Plurais ou Centennial. Essas pessoas cresceram durante a ascensão e popularização da internet junto com as novas tecnologias digitais, como smartphones, videogames e computadores mais inteligentes.

Por isso, possuem algumas características em comum. São elas: 

  • nativos digitais;
  • constantemente conectados à internet;
  • muitos são nômades digitais;
  • otimistas;
  • intelectualmente curiosos;
  • empreendedores;
  • avessos ao compromisso;
  • resilientes;
  • constroem comunidades online;
  • encontram a felicidade na natureza e no voluntariado;
  • procuram por significados e conexões;
  • possuem forte responsabilidade social e ambiental;
  • gostam de interagir e expor suas opiniões no ambiente online;
  • são acostumados em ter respostas e informações rapidamente (instantaneidade);
  • ansiosos, já que estão acostumados com processos rápidos;
  • acostumados com os avanços das novas tecnologias da comunicação;
  • lidam bem com a redução da vida útil das coisas.

Geração Z prefere desemprego a infelicidade 

Uma pesquisa global feito pelo Workmonitor, da consultoria Randstad, revelou que 2 em cada 4 profissionais da geração Z preferem ficar desempregados a permanecerem em um emprego que não gostam. 

O estudo também mostrou que cerca de 56% da geração Z e 55% dos millennials disseram que largariam um emprego se isso interferisse em suas vidas pessoais. A pesquisa ouviu 35 mil profissionais em 34 mercados.

Além disso, a pesquisa apontou que 70% dos profissionais se mostraram abertos às novas oportunidades de trabalho, já que 32% da geração Z e 28% dos millennials que foram entrevistados relataram estarem procurando por um novo emprego. 

Ainda, 49% dos jovens profissionais disseram estar confiantes em encontrar uma nova oportunidade de trabalho rapidamente, caso fossem demitidos ou saíssem dos seus atuais trabalhos.

Emprego ou felicidade?

Por que jovens profissionais preferem ficar desempregados a permanecerem em um trabalho que os deixam insatisfeitos? 

As características da geração Z diferenciam os valores dos novos trabalhadores das gerações anteriores, que permaneciam por muito tempo em um emprego, mesmo quando não estavam felizes. 

Por conta do imediatismo presente na vida desses jovens, quando sentem vontade de sair de um emprego infeliz, não hesitam em pedir demissão. 

Além disso, por serem avessos aos compromisso e por estarem atrás de significados e conexões, os profissionais das últimas gerações são mais desapegados ao trabalho, prezam pela sua felicidade e buscam o bem-estar. 

duas mulheres jovens em um fundo rosa para representar a Geração Z no mercado de trabalho

Como atuam os jovens talentos no mercado de trabalho?

Os integrantes das novas gerações são ótimos profissionais quando se sentem parte de um propósito, como se fosse uma comunidade. 

Por terem o imediatismo como uma das suas principais características, eles gostam de antecipar e simplificar os processos. 

Além disso, como possuem uma compreensão tecnológica apurada, estão sempre abertos às novas tecnologias e conseguem raciocinar de forma rápida.

Portanto, quando se sentem felizes, motivados e engajados no trabalho, os jovens talentos podem ser ótimos profissionais para as empresas. 

Assim, ao notarem que a empresa preza pela sua felicidade, qualidade de vida e bem-estar, os integrantes das novas gerações são ótimos funcionários e trazem retornos positivos para a instituição. 

Cenário de trabalho atual

O mercado de trabalho atual se encontra novamente em adaptação aos novos modelos de jornadas, principalmente após as mudanças ocorridas na pandemia. 

De pequenas às grandes empresas, todas estão precisando se reinventar e passar por transformações organizacionais para atrair e reter funcionários.

A demanda por flexibilidade é um dos principais motivos dessa reformulação após um longo período de home office ou sistema híbrido

Isso porque muitos trabalhadores acostumaram com a flexibilização das jornadas de trabalho nos últimos anos e passaram a prezar pela qualidade de vida e bem-estar. 

Por outro lado, alguns funcionários que trocaram de trabalho na pandemia estão se perguntando se existe um tempo mínimo para um colaborador ficar em um novo emprego

O que o RH pode fazer para atrair esses jovens talentos?

O cenário de trabalho atual está passando por vários desafios enquanto os profissionais, principalmente da geração Z, também estão lidando com seus sentimentos e vontades pessoais. Como o RH pode ajudar nesses casos? 

Uma pesquisa feita pelo site de empregos Indeed com 798 donos de micro, pequenas e médias empresas mostrou que 59% deles tiveram de fazer alterações  nas práticas de contratação e RH para atrair novos talentos.

Isso porque houveram muitas mudanças recentemente, principalmente nas perspectivas das pessoas e na predileção pela jornada e horários flexíveis. 

Sendo assim, podemos dar algumas dicas para profissionais de RH para atrair e reter profissionais que pertencem à geração Z. Veja quais são: 

  1. ofereça algum apoio à saúde mental, como terapia online;
  2. permita flexibilidade no modelo de trabalho;
  3. torne a diversidade e inclusão como prioridades na empresa;
  4. comunique-se pelas redes sociais; 
  5. ofereça autonomia e liberdade;
  6. faça entrevista de permanência;
  7. incentive causas sociais, culturais e ambientais;
  8. use a tecnologia como aliada no processo de recrutamento e seleção;
  9. gere experiências ao colaborador;
  10. cuide do clima corporativo;
  11. crie uma cultura da empresa;
  12. ofereça melhores pacotes de benefícios, que priorizem todos os tipos de bem-estar dos funcionários, com a Allya que oferece descontos em cursos, academias, terapia e compras do dia a dia para gerar economia de dinheiro e estimular o bem-estar financeiro

Agora você sabe como reter e manter talentos da geração Z na sua empresa. Assine a nossa newsletter e leia mais conteúdos interessantes como esse! Indique também a Allya no seu trabalho.

Posts Recentes

Categorias

Amanda Miquelino

Amanda Miquelino

Jornalista, apaixonada pelo SEO e pelo Marketing Digital. Estou desvendando o mundo do RH para encontrar os melhores benefícios corporativos que promovam o bem-estar aos colaboradores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

document.getElementsByName('comment')[0].placeholder='Seu comentário aqui...'; document.getElementsByName('author')[0].placeholder='Nome (obrigatório)';